Dossiê Átrio dos Gentios

O Átrio dos Gentios 2016 foi marcado por uma programação que favoreceu o diálogo entre intelectuais, artistas, acadêmicos e outros públicos dispostos a discutir sobre a existência humana e suas relações com o transcendente. Diante do compromisso de continuar as discussões iniciadas em abril de 2016, o Instituto Ciência e Fé oferece esta publicação para que possamos aprofundar tão relevante tema.

Publicação: Instituto Ciência e Fé da PUCPR

Download

Boletim | De olho nas Juventudes, nº 2

Vol. 2 – Agosto de 2017

Dando sequência à série “De olho nas Juventudes”, esta segunda edição, traz o Ensino Superior no Brasil como tema. O boletim apresenta um panorama do Ensino Superior no Brasil e traz dados que revelam o perfil do estudante universitário, os cursos que buscam, aos quais têm acesso, informações sobre evasão, trabalho, e questões de gênero, raciais, econômicos e dados locais. O material, destinado à docentes e lideranças universitárias, busca também refletir o papel da Universidade no enfrentamento à esse problema social.

Publicação: Observatório das Juventudes | Instituto Ciência e Fé

Download

II SIMPÓSIO DE DIREITOS HUMANOS | Submissão de trabalhos

O prazo final para submissão de trabalhos será dia 30 de outubro de 2017.

E-mail para envio de trabalhos: nucleodireitoshumanos@pucpr.br

***

Os trabalhos para o Simpósio serão apresentados na forma de comunicação oral, por meio da metodologia de roda de conversa, na qual cada resumo aceito terá 5 minutos para ser brevemente apresentado no eixo temático correspondente, oportunizando maior interação e troca de experiências entre os participantes. Serão recebidos Resumos sobre pesquisas concluídas ou em andamento, bem como relatos de experiência contendo:

  • Nome do Eixo Temático para o qual a comunicação se direciona;
  • Título da comunicação;
  • Nome(s) do(s) proponente(s), mencionando a titulação e a vinculação institucional;
  • Instituição financiadora da pesquisa (se houver);
  • Resumo;
  • Palavras-chave: entre 3 e 5 palavras, separadas por ponto e vírgula.

***

Normas para envio de trabalhos:

  • Cada participante poderá enviar até dois trabalhos na forma de resumo;
  • Cada resumo poderá ter até 3 autores;
  • Os resumos deverão ser enviados em arquivo Word e formatados com fonte arial; tamanho 12; espaçamento entre-linhas 1,5; margem sup. 3, esq. 3, dir.2, inf.2.
  • Deverá conter entre 350 e 600 palavras, apresentando o tema do trabalho, os objetivos, a metodologia utilizada e as conclusões.
  • O envio deverá ser feito por email com o eixo temático de interesse do proponente apontado no item assunto do email.
  • Email para envio de trabalhos: nucleodireitoshumanos@pucpr.br
  • Arquivos enviados fora da formatação ou sem o eixo temático constando no assunto do email não serão considerados para avaliação.

***

EIXOS TEMÁTICOS

.

  • Eixo TemáticoRelações Étnico-Raciais e Indígenas: Identidade e Descolonidade

Este eixo temático objetiva estabelecer uma reflexão acerca das contribuições do pensamento fronteiriço e os elementos que subsidiam os vieses da descolonidade e da identidade e os caminhos possíveis de ruptura do velho legado da colonialidade eurocentrica que subjugava os africanos, seus descendentes da diáspora africana e as populações indígenas, bem como o fato de suas contribuições serem invisibilizadas pelo pensamento ocidental colonial. As reflexões abordarão a identidade negra e indígena e as condições de reconhecimento por meio da ancestralidade. Também serão analisadas as estruturas, os modos de ser e o potencial de destruição do mundo e da humanidade pela colonialidade. Desta forma, os trabalhos privilegiarão temas oriundos dos filósofos africanos e dos pensadores que refletem sobre a afrodiáspora no Brasil e nos demais países da América Latina. Pretende-se projetar um novo significado aos modos de ser, pensar e conviver de mulheres, homens e suas diversidades sexuais e raciais, mediados pelos conhecimentos da filosofia e ciências contemporâneas. (email para envio de trabalhos: nucleodireitoshumanos@pucpr.br).

Coordenação: Dr. Sergio Nascimento, Doutorando Abel Ribeiro, Doutorando Iziquel Radvanskei

.

  • Eixo temático: Direitos Humanos, Saúde Mental e Políticas Públicas

O campo das políticas públicas em saúde mental é marcado historicamente pela violação sistemática dos direitos das pessoas que apresentam algum tipo de transtorno comportamental. A criação de instituições psiquiátricas e a aplicação de práticas manicomiais gravemente comprometidas do ponto de vista ético foram possíveis porque se apoiavam num discurso sobre a loucura que a classificava como escuridão das sombras, frente à clarividência constituinte do ego racional psiquiátrico. A loucura, ao ser concebida pela psiquiatria como ausência de um pensamento verdadeiro, favoreceu a ampliação da distância entre os conceitos de normal e anormal, sanidade e insanidade, legitimando políticas de exclusão e práticas médicas caracterizadas pela lógica da experimentação e da tortura. No contexto de crise política e econômica e da ascensão de práticas conservadoras e moralistas ganham força os discursos e as políticas de natureza autoritária, higienista e excludente no campo da saúde mental e das políticas públicas, principalmente aquelas voltadas à população em situação de rua e aos usuários de álcool e outras drogas. Nesse sentido, o objetivo desse grupo de trabalho é refletir sobre os discursos presentes na sociedade que de alguma forma associam-se a tais práticas, bem como investigar outras narrativas possíveis que possam possibilitar alternativas mais éticas de prevenção, intervenção e cuidado. (email para envio de trabalhos: nucleodireitoshumanos@pucpr.br)

Coordenação: Dr. Rodrigo Alvarenga, Drª Jucimeri Isolda Silveira e Drª Solange Fernandes, Esp. Henrique Costa Brojato

.

  • Eixo Temático: Desigualdades, Direitos Humanos e Mediação de Conflitos

O Objeto do eixo é problematizar, apresentar e debater, à luz de abordagens interdisciplinares e da teoria crítica dos direitos humanos, argumentos teóricos e proposições empíricas capazes de pensar e efetivar propostas político-pedagógicas de enfrentamento e solução de conflitos que envolvam crianças, adolescentes e jovens, preferencialmente aqueles/as que se encontram em situação de pobreza e vulnerabilidade social. (email para envio de trabalhos: nucleodireitoshumanos@pucpr.br).

Coordenação: Dr. Cezar Bueno de Lima, Drª Jucimeri Isolda Silveira, Drª Mirian Guebert, Dr. Lindomar Boneti

.

  • Eixo Temático: Governança democrática, defesa de direitos, participação e políticas públicas

Este eixo contempla a sistematização de pesquisas e práxis em direitos humanos, especialmente na área das infâncias e juventudes, sobre desigualdades, vulnerabilidades e enfrentamento das violências e outras formas de enfrentamento das violações de direitos. Objetiva, ainda, dar visibilidades às estratégias de fortalecimento da democracia participativa e deliberativa nos espaços institucionalizados ou não, assim como os mecanismos de fortalecimento da integralidade da proteção social na relação entre políticas públicas e sistema de justiça, assim como as formas de participação na direção da qualificação dos direitos e das políticas públicas na relação entre Estado e sociedade civil. (email para envio de trabalhos: nucleodireitoshumanos@pucpr.br).

Coordenação:  Drª Jucimeri Silveira, Drª Marcia Terezinha Oliveira, Drª Denise Colin, Drª Andrea Braga Curralinho, Drª Viviane Aparecida da Silva

.

  • Eixo Temático:  Educação em Direitos Humanos: Diversidade, Gênero e Religiões.

Discussão dos fundamentos teórico-metodológicos da análise diferenciação/articulação das relações sociais de gênero, diversidade e religiões enquanto categoria analítica, cultural e social e histórica. Especialmente em um contexto de profundas mudanças econômicas, culturais e políticas.  O GT busca retratar, os significados atribuídos, a trajetória da construção da problemática de gênero, diversidade e crenças religiosas tendo em vista a defesa, afirmação e o fortalecimento dos direitos humanos, numa perspectiva da democracia, do protagonismo, da cidadania. (email para envio de trabalhos: nucleodireitoshumanos@pucpr.br).

Coordenação:  Drª Jaci de Fátima Souza Candiotto, Ms. Darli de Fátima Sampaio, Drª Solange Fernandes, Dra Maria Izabel Pires.

.

  • Eixo Temático: Defesa de direitos, metodologias, participação de crianças e adolescentes

Este eixo dedica-se por um lado à reflexão sobre estudos sociais e metodologias de pesquisa científica com e sobre crianças e adolescentes; e por outro, à visibilidade de práticas educativas em torno dos direitos humanos das infâncias. Objetiva-se observar, especialmente, as estruturas e os modos como acontece a participação de meninos e meninas nos espaços de socialização em que estão inseridos. E, pretende-se, ainda, disseminar as estratégias em sociedade que asseguram e fortalecem a participação das infâncias, à luz do princípio da sua prioridade absoluta nas políticas públicas, e do seu direito à participação social. (email para envio de trabalhos: nucleodireitoshumanos@pucpr.br).

Coordenação: Ms. Bárbara Pimpão, Ms. Beatriz Caitana da Silva, Ms. Gillys Vieira da Silva, Ms. Angela Jeiss

 

I SIMPÓSIO DAS JUVENTUDES | Submissão de trabalhos

As Sessões de Comunicação são espaços de interlocução e debate sobre a temática proposta (veja abaixo a lista dos GRUPOS DE TRABALHOS), fomentado a partir de relatos de investigações científicas (concluídas ou em andamento) e relatos de experiências. Podem propor a apresentação de um trabalho: jovens, profissionais, professores e pesquisadores que se dediquem a temas relacionados a um dos subtemas propostos nas ementas abaixo.

O proponente deverá submeter o resumo (proposta de comunicação), conforme critérios indicados nas “ORIENTAÇÕES PARA ENVIO DE PROPOSTA DE COMUNICAÇÃO” até o dia 20 de outubro de 2017.

***

ORIENTAÇÕES PARA ENVIO DE PROPOSTA DE COMUNICAÇÃO

A Proposta de Comunicação (RESUMO) deverá conter OBRIGATORIAMENTE (nessa ordem):

  • Nome do Grupo de Trabalho para o qual a comunicação se direciona;
  • Título da comunicação;
  • Nome(s) do(s) proponente(s), mencionando a titulação e a vinculação institucional;
  • Instituição financiadora da pesquisa (se houver);
  • Resumo – entre 350 e 600 palavras*, apresentando o tema do trabalho, os objetivos, a metodologia utilizada e as conclusões.;
  • Palavras-chave: entre 3 e 5 palavras, separadas por ponto e vírgula.

Deverão ser observados os seguintes critérios para o envio de propostas de comunicações:

  • A comunicação deve ser de autoria do (s) proponente (s);
  • É vedada a apresentação de mais de uma comunicação pelo mesmo proponente;
  • Para fins de diagramação, favor enviar os resumos na fonte Arial; tamanho 12; espaçamento entrelinhas 1,5; margem sup. 3 cm, esq. 3 cm, dir.2 cm, inf.2 cm.

* Elementos pré-textuais e palavras-chave não somam nas 350 a 600 palavras.

.

GRUPOS DE TRABALHO

.

GT1 – JUVENTUDE E CULTURA

Coordenador: Cauê Kruger

Em meio ao frenesi da sociedade contemporânea já não é mais suficiente conceber a categoria “Juventude” apenas como uma construção social e histórica de caráter plural. As juventudes contemporâneas são atravessadas por tamanhas transformações identitárias, tecnológicas, midiáticas e subjetivas que sua complexidade desestabiliza tentativas sistematizadoras baseadas em critérios etários ou geracionais convencionais e no processo de transformação do self da “infância” à “vida adulta”, que tende a ser, em si mesmo, questionado. Correspondentemente, a produção acadêmica sobre o tema é vasta e efervescente. O presente GT tem por objetivo, portanto, abrigar debates com fundamentação analítica nas ciências sociais que apresentem propostas teóricas, empíricas ou etnográficas acerca dos cruzamentos entre juventudes, identidades, sociabilidades, simbolismo e cultura conferindo especial ênfase às construções corporais, práticas de interação e formação de grupos sociais, consumo, linguagens e formas expressivas.

Para submeter trabalho, encaminhar proposta para juventude.cultura2017@gmail.com

.

GT2 – JUVENTUDE E EDUCAÇÃO

Coordenador: Maria Lourdes Gisi

Serão aceitos trabalhos resultantes de pesquisas desenvolvidas ou em desenvolvimento de âmbito nacional e internacional e relatos de experiência que contemplem: O jovem como sujeito de direitos e as iniciativas educacionais focalizadas nos segmentos juvenis da sociedade brasileira. Propostas educativas para juventude na perspectiva da diversidade, com seus contornos específicos nos diferentes contextos sociais. A escola enquanto espaço de sociabilidades e aprendizado sobre o tema juventude. Adoção de novas práticas pedagógicas em resposta aos desafios contemporâneos da educação brasileira. Correlação entre os indicadores socioeconômicos e o acesso à educação. Acesso de estudantes da escola pública a educação superior de qualidade e políticas públicas de inclusão dos grupos historicamente excluídos. Acesso e permanência do jovem trabalhador.

Para submeter trabalho, encaminhar proposta para juventude.educacao2017@gmail.com

.

GT3 – JUVENTUDE E ESPIRITUALIDADE

Coordenador: Jelson Oliveira

Trata-se de pensar a espiritualidade em seu sentido pleno e amplo, condizente com os anseios da juventude e em suas expressões contemporâneas e de acordo com os envolvimentos concretos dos jovens com a sua realidade concreta. Nesse sentido, o GT pretende refletir sobre os desafios da experiência espiritual dos jovens no mundo contemporâneo, marcado pelo vazio, pelas incertezas, pelo consumismo e pela exigente competência técnico-profissional, que acabam por bloquear o acesso tanto à imanência do Ser próprio, quanto à transcendência. Trata-se, portanto, de pensar a mútua articulação entre esses dois âmbitos da vida que constituem a riqueza da vida espiritual.

Para submeter trabalho, encaminhar proposta para juventude.espiritualidade2017@gmail.com

.

GT4 – JUVENTUDE E GENERO

Coordenadora: Darli de Fátima Sampaio

Discussão dos fundamentos teórico-metodológicos da análise diferenciação/articulação das relações sociais de gênero, enquanto uma categoria analítica, cultural e histórica, bem como a construção sócio histórica das juventudes, especialmente em um contexto de profundas mudanças culturais e políticas. Retrata, os significados atribuídos, a trajetória da construção da problemática de gênero e juventudes, as diferenciações de classe, racial/étnicas, com incidência na organização doméstico-familiar e no mundo do trabalho em vista da promoção e fortalecimento da democracia, do protagonismo, da cidadania e na constituição de sujeitos políticos.

Para submeter trabalho, encaminhar proposta para juventude.genero2017@gmail.com

.

GT5 – JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO POLÍTICO-SOCIAL

Coordenador: Rodrigo de Andrade

A presença da juventude na sociedade brasileira se alargou e intensificou nos últimos anos, tanto em contingente como em multiplicidade de atores. São muitos os segmentos juvenis que hoje se fazem visíveis e presentes, por meio   dos   mais   variados   tipos   de   coletivos, organizações   e movimentos, apresentando uma gama variada de demandas e reivindicando participação e interferência na vida social, cultural e política do país. Diante desse cenário, governos e organizações sociais são desafiados a acolher, interpretar e reconhecer essas novas e criativas formas de participação sociopolítica. Este GT busca promover a reflexão em torno deste tema a partir de produções acadêmicas que com ele dialoguem, visando subsidiar a criação de políticas públicas e mecanismos sociais de participação que contemplem as reivindicações e os métodos de incidência sociopolítica próprias da juventude contemporânea.

Para submeter trabalho, encaminhar proposta para juventude.participacao2017@gmail.com

.

GT 6 – JUVENTUDE E RELAÇÕES ETNICOS-RACIAIS

Coordenador: Sérgio Nascimento

Este grupo considera a heterogeneidade da condição e situação juvenil negra em face das relações-étnico-raciais, com as repercussões e demandas nas políticas sociais em diferentes dimensões (trabalho, educação, saúde, cultura, entre outros). Apresentando a diversidade como expressões das práticas culturais juvenis. Suas tensões, perspectivas, desejos, sonhos como participantes da sua formação indenitária. O eixo temático tem como objetivo enfatizar temas que problematizem questões: culturais, identidades, participação na política, tecnologia, sociabilidade, processos educativos escolares e não escolares, religiosos.

Para submeter trabalho, encaminhar proposta para juventude.etcnicoracial2017@gmail.com

Relatório Anual de Atividades 2016

Entre as muitas conquistas de 2016, o Instituto Ciência e Fé da PUCPR (ICF) ampliou sua internacionalidade, em especial com dois projetos, o Átrio dos Gentios e o Mistério e o Som do Universo: um debate sobre as ondas gravitacionais. Com as experiências já existentes, como o Café Filosófico, os Diálogos Contemporâneos, as Publicações, entre outros, aos poucos vamos aprendendo a construir relações sólidas, que ampliam e aprofundam o debate em torno de novas ideias e de diferentes formas de compreender a realidade. Com isso, o ICF avança um pouco mais num de seus principais objetivos, que é o de garantir um portfólio consistente e qualificado de projetos, transformando-se numa referência interna e externa no debate entre ciência, cultura e fé. Muito ainda precisa ser realizado, mas a certeza de fazer processo com responsabilidade, ciente das potencialidades e das fragilidades, serve de ânimo para o caminho que ainda precisa ser trilhado e do qual, diga-se de passagem, temos muitos e muitos quilômetros a percorrer!

Conteúdo | Fabiano Incerti e Rodrigo de Andrade

Projeto gráfico e diagramação | Nina Zambiassi

Revisão | Juliana Satie Oshima

Analista de Projetos | Andreia Bogo Betiati

Download

Mística, sabedoria e autoridade no século XIX: estudos sobre o Irmão Francisco, primeiro superior geral dos Irmãos Maristas.

Irmão Francisco é discípulo das primeiras horas, dos tempos de La Valla. Tinha não mais que 11 anos quando aceitou a proposta de Champagnat para formar parte de seu incipiente projeto de Instituto. Cresce ao lado do Fundador e se torna seu primeiro sucessor. Mais tarde, é beatificado e a Igreja reconhece a heroicidade das virtudes. Apesar disso, há carência de pesquisas que ajudem a entender melhor o Irmão Francisco, tanto em relação a seu tempo, bem como em relação à história Marista. Pouco se estudou, por exemplo, sobre seus Cadernos e Cartas, tampouco há análises aprofundadas sobre sua biografia e personalidade. Mesmo o fato de pertencer à galeria dos “santos maristas” não torna seus escritos e sua vida uma fonte para a espiritualidade marista. Esta publicação cumpre, em parte, o objetivo de tornar o Irmão Francisco mais conhecido na riqueza de sua história e na profundidade de seus escritos e de seu modo de vida.

Publicação: Instituto Ciência e Fé da PUCPR e Memorial Marista
Editora: PUCPRESS

Indisponível para download

Ciclo de Conferências

2017 | Uma ética para os novos tempos

 

10 de outubro | Gilles Lipovetsky

25 de abril | Michel Maffesoli

Página 1 de 212